A Revista Educação fez uma seleção especial de 10 filmes inspiradores para refletir sobre educação – o papel do professor, do aluno e do sistema educacional. Confira abaixo a lista e saiba mais sobre os filmes aqui.

1. “Quando sinto que já sei” (2014, Brasil), de Antonio Salgado, Raul Perez e Anderson Lima

Custeado por meio de financiamento coletivo, o filme registra práticas inovadoras na educação brasileira.

2. “A Educação Proibida” (2012, Argentina), de German Doin e Verónica Guzzo

Gravado em oito países da América Latina, o documentário problematiza a escola moderna e apresenta alternativas educacionais desenvolvidas na região.

3. “Pro dia nascer feliz” (2006, Brasil), de João Jardim

O filme mostra o cotidiano permeado de desigualdade e violência de jovens de quatro escolar públicas brasileiras.

4. “Além da sala de aula” (2011, EUA), de Jeff Bleckner

Baseado em fatos reais, o filma narra a trajetória e os desafios enfrentados por uma professora recém-formada em uma escola temporária para sem tetos.

5. “Sementes do nosso quintal” (2012, Brasil), de Fernanda Heinz Figueiredo

A infância é o tema central do documentário, que foca no cotidiano da Te-Arte, uma escola infantil inovadora que foca no estímulo da criatividade infantil, e na trajetória da idealizadora Thereza Soares Pagani.

6. “Quando tudo começa” (1999, França), de Bertrand Tavernier

Em meio à miséria e à indiferença do governo francês, um professor de uma escola pública se envolve com as situações vividas pelas famílias das crianças e protesta contra as políticas sociais do país.

7. “Paulo Freire – Contemporâneo” (2006, Brasil), de Toni Venturi

Entrevistas com familiares, pedagogos e o próprio Paulo Freire apresentam o pensamento e a atemporalidade do método de alfabetização do educador.

8. “Tarja Branca” (2014, Brasil), de Cacau Rhoden

Tratado com serenidade, o direito de brincar é o tema desse documentário, que aborda o conceito de “espírito lúdico” e convida para a reflexão do desenvolvimento do homem adulto.

9. “Entre os muros da escola” (2008, França), de Laurent Cantet

Uma sala de aula na periferia de Paris simboliza o choque cultural presente na França contemporânea. O longa é baseado em livro homônimo de François Bégaudeau, protagonista da narrativa.

10. “Mitã” (2013, Brasil), de Lia Mattos e Alexandre Basso

Educação, espiritualidade, tradição e cultura da criança se misturam na narrativa, inspirada pelos pensamentos de Fernando Pessoa, Agostinho da Silva e Lydia Hortélio.

Maria Piza

 

Está na programação da Virada Sustentável, que acontece esta semana em São Paulo, o documentário “A Lei da Água”, que fala da importância da preservação dos ecossistemas para provisão de água e como isso se relaciona com o novo Código Florestal.

O filme tem exibição no dia 31 de agosto, no Auditório do Ibirapuera, às 17h.

Abaixo o convite e aqui um trailer do filme.

Natalia Lutti


 

 De 20 a 27 de março de 2014 os paulistanos poderão conferir longas, médias e curtas metragens focados na temática ambiental, oriundos de mais de 30 países, grande parte deles inéditos no Brasil.

Os filmes, classificados nas temáticas cidades, campo, economia, energia e povos e lugares, abordam questões como energia nuclear; o uso de animais como cobaias; organismos geneticamente modificados; urbanismo e a vida nas grandes cidades; extração de recursos naturais por grandes corporações e suas consequências para o meio ambiente e para comunidades; localidades remotas e a dificuldade cada vez mais premente de manter tradições junto às novas gerações que querem ganhar o mundo e frente aos dilemas impostos pelas transformações do meio ambiente.

“A Mostra entra em sua terceira edição se consolidando em São Paulo como espaço para conferir produções de várias partes do mundo que marcam presença inclusive em grandes festivais de cinema. Estes filmes, inéditos em sua maioria no Brasil, não entram em circuito depois, salvo algumas exceções. É uma oportunidade única de assistir a estas produções. É também um espaço para promover o debate e a reflexão sobre questões do nosso dia a dia,” diz Chico Guariba, diretor da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Os filmes serão exibidos em sete salas do circuito de cinema da cidade: Reserva Cultural, Cine Livraria Cultura, Museu da Imagem e do Som (MIS), Cine Olido, Centro Cultural São Paulo, Cinusp Maria Antônia e Matilha Cultural. Além das exibições dos filmes, a Mostra promoverá debates com vários realizadores de diferentes nacionalidades. Toda a programação é gratuita.

Este ano a Mostra traz ainda duas novidades – a premiação dos melhores filmes latino americanos e um circuito universitário, que levará filmes e debates a diferentes instituições de ensino. O GVces é parceiro neste circuito e fará uma exibição na FGV.

Serão premiados os melhores filmes escolhidos por uma comissão julgadora e também por voto popular. As cédulas de votação estarão disponíveis nos locais das sessões, durante o período de realização da Mostra.

Mais informações clique aqui
Para acessar a programação clique aqui.

 

Criada a partir de elementos da mitologia indígena, essa animação brasileira conta em quatro episódios a história de um personagem fantástico, que participa de um combate entre índios das etnias tupinambá e tupiniquim, antes da chegada dos europeus; da revolta Balaiada, em 1838, no Maranhão, e do combate á ditadura por militantes de esquerda, no final dos anos 1960. Uma obra interessante para pensar as populações locais em busca de seu desenvolvimento e a relação com o Estado.

Uma história de amor e fúria

 

O Cineclube Socioambiental Crisantempo inicia a sua temporada 2013 no próximo dia 07 de março, com a exibição do filme “Orgasmic Inc.”, da diretora norte-americana Liz Canner. O filme desvenda a trajetória da indústria farmacêutica na corrida por remédios que respondam à falta de satisfação sexual. Depoimentos de médicos e cientistas revelam a importância da resistência a produtos dessa natureza.

Em comum, os filmes da programação 2013 do Cineclube Socioambiental enfatizam a necessidade do cidadão fazer uma pausa e olhar para dentro de si mesmo. São 18 títulos de temática variada, alguns inéditos, como o “Brasil Orgânico” ou “O Ativista Quântico”, que serão exibidos até o final de junho no espaço, que já se tornou um ponto de reflexão consagrado em São Paulo. As sessões acontecem sempre às quintas-feiras, 20 horas, com realização pela Sala Crisantempo, em parceria com o Instituto 5 Elementos – Educação pela Sustentabilidade e Greenpeace.

A ideia é ampliar o debate sobre mudanças de hábitos que aprimorem nossa relação conosco mesmo e com o próprio planeta. Desde 2008, cerca de 8 mil pessoas já passaram pelo Cineclube, participando de outras atrações como as Feiras de Trocas, as Quintas Orgânicas e as sessões de filmes surpresas. Em recente pesquisa de opinião realizada pelo Instituto 5 Elementos, 86% do público entrevistado consideraram que a programação contribuiu para ampliar a compreensão do tema sustentabilidade.

Em 2013, haverá conversas com diretores importantes, como Amit Goswami, que assina “O Ativista Quântico” e ficou conhecido pela direção de “Quem Somos Nós”. Já o filme “Entre a Cidade e a Floresta” é inédito e revela os desafios dos povos tradicionais que vivem no município de São Paulo, seus mitos e símbolos, e será seguido de conversa com lideranças das comunidades indígenas, além de distribuição do vídeo e livro de mesmo nome. Há ainda um importante momento de debate com o deputado Jean Wyllis, a partir do filme “Sex Boxx”, sobre os desafios da discussão de gênero e sexualidade.

Outras estreias como “Fome de mudança – A saúde nas suas mãos”, dos mesmos produtores do aclamado “Food Matters” (O Alimento é Importante), focado nas disfunções criadas a partir dos produtos diet e “low fat”, tem exibição em junho. Assim como “O Nascimento como um Negócio”, mostrando como o parto tornou-se parte de um sistema lucrativo, que exclui o bem-estar de mãe e bebê e desrespeita o próprio corpo da mulher.

Saiba mais no site do Cineclube Socioambiental Crisantempo.

Ricardo Barretto

 

Com a estreia no Brasil de filmes como o polêmico “Colapso”, de Chris Smith, ou o inédito “DMT – A molécula do espírito”, de Mitch Schultz, e o “Combustível” de Josh Tickell, o Cineclube Socioambiental Crisantempo abre a temporada 2012 apostando em títulos inovadores e com pouco espaço no circuito comercial de cinema e vídeo. Além de realizar encontros, como o do diretor executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo, em uma conversa com o público com mediação de Marina Person.


A sala inaugura a programação com o filme “Sobre Rios e Córregos”, em plena comemoração ao Dia Mundial da Água, 22 de março, e após a exibição, recebe o diretor do filme, Camilo Tavares, a
especialista em Recursos Hídricos, Marussia Whately, e o advogado especialista em Direito Ambiental, Virgílio de Farias, visando aprofundar o diálogo com o público. Além de oferecer um coquetel
orgânico e realizar a ocupação “vaga viva”, onde a vaga de um carro é transformada em um espaço de lazer.

Primeiro cineclube de São Paulo dedicado à reflexão e à difusão da consciência socioambiental, com apoio do Instituto 5 Elementos, a Sala Crisantempo pretende ampliar o debate sobre mudanças de hábitos que aprimorem a relação humana com os recursos do planeta. A idéia é buscar títulos da produção nacional e internacional não acessíveis nas grandes salas e que apresentam questões decisivas no cotidiano.

Em cena desde 2008, o Cineclube Socioambiental já atraiu mais de 7 mil espectadores e tornou-se um ponto de reflexão na cidade de São Paulo. “As sessões reúnem diferentes profissionais em torno do
tema abordado, sempre apresentando as soluções e caminhos possíveis para atender à complexidade dos desafios da realidade atual”, expressa Danila Bustamante, produtora do Cineclube.

Esse ano, filmes como o dinamarquês “Celular manchado de sangue”, de Frank Poulsen, sobre a relação entre a produção de celulares da Nokia e a guerra civil no Congo, ou “O veneno está na mesa”, de Silvio Tendler, mostrando porque o Brasil é recordista no consumo de agrotóxicos, provocam o debate sobre práticas políticas, valores humanos e a consciência ambiental.

Além de filmes-denúncia, a curadoria enfoca títulos que estimulam a prática cidadã, como o inglês “A revolução dos cocos”, que documenta a primeira e bem sucedida eco-revolução na ilha de
Bougainville, ou “À Margem do Lixo” sobre a rotina dos catadores de papel e de materiais recicláveis na cidade de São Paulo.

Os títulos inéditos foram traduzidos e legendados pela equipe do Cineclube, que também priorizou a diversidade de temas. Por fim, as sessões são complementadas por atividades paralelas com a Feira de Trocas, que promove a economia solidária e criativa durante a Virada Sustentável, e as Quintas Orgânicas, em que são servidas comidas preparadas com ingredientes orgânicos e frescos antes das sessões.

O Cineclube tem como parceiros o 5 Elementos – Instituto de Educação e Pesquisa Ambiental e Greenpeace e, neste semestre, conta com o apoio FilmAmbiente Festival , Goethe-Institut de SP, Ecomove, Matilha Cultural, ONG Plantando Consciência, SENAC, Teia-USP e Virada Sustentável.

Todas as atividades são gratuitas.

Programação
de março a julho

22.03

- “Sobre Rios e Córregos” e conversa com especialistas

26.03
- “20 anos de Greenpeace – Encontro com Kumi Naidoo” -
Mediação de Marina Person

29.03
- “Colapso”

05.04
- “A Revolução dos Cocos”

12.04
- “Celular manchado de Sangue”

19.04
- “Combustível”

26.04
- “DMT – A Molécula do Espírito” + convidados

03.05
- “Encontro Causa Comum Brasil”

10.05
- “À Margem do Lixo” + convidados

17.05
- “Milho” + convidados

24.05
- “Keralux” + convidados

31.05
- “O Veneno está na Mesa” + diretor do filme

03.06
- “Big Feira de Trocas na Virada Sustentável”

14.06
- “Palestra: Glândula Pineal”

21.06
- “Sessão Surpresa”

28.06
- “Sumiço dos Elefantes” + convidados

Feira
de Trocas: 1 de Abril, 6 de Maio, 3 de Junho e 1 de Julho – Domingos,
14h – 17h

 

Serviço

OCineclube Socioambiental Crisantempo funciona na Sala Crisantempo,
que fica na rua Fidalga, 521, Vila Madalena. Mais informações e
programação completa: (11) 3814-2850 e
www.cineclubesocioambiental.org.br.

© 2016 GVces - Coletivo Sustentável Suffusion theme by Sayontan Sinha