A Prefeitura de São Paulo abriu consulta pública sobre um plano de ação para avançar na inclusão da alimentação orgânica nas escolas da rede municipal, que vai até o dia 09 de outubro.

A partir da lei municipal 16140/2015, a proposta da prefeitura paulistana é tornar obrigatória a inclusão de produtos orgânicos ou de base agroecológica na alimentação escolar, além de priorizar a aquisição desses produtos e permitir que o município pague até 30% a mais em relação ao convencional similar. A lei prevê ainda a criação de um plano de ação para sistematizar como será a inclusão desse tipo de cardápio nas escolas públicas da cidade.

Mais informações aqui.

Aletea Madacki

 

As inscrições para participar do Guia EXAME de Sustentabilidade 2015 foram prorrogadas até o dia 12 de junho. O questionário está disponível aqui.

O Guia EXAME de Sustentabilidade é a maior e mais respeitada pesquisa realizada no Brasil sobre práticas de responsabilidade corporativa. A metodologia do guia e a análise dos dados são elaboradas pelo GVces. No ano passado, 228 empresas que operam no país participaram da pesquisa, e 69 foram destacadas ou mencionadas na publicação final.

Mais informações sobre o encontro e o Guia 2015 no site http://exame.abril.com.br/revista-exame/guia-de-sustentabilidade

Helton Barbosa

 

As inscrições para participar do Guia EXAME de Sustentabilidade 2015 estão abertas até o dia 29 de maio. O questionário está disponível aqui.

O Guia EXAME de Sustentabilidade é a maior e mais respeitada pesquisa realizada no Brasil sobre práticas de responsabilidade corporativa. A metodologia do guia e a análise dos dados são elaboradas pelo GVces. No ano passado, 228 empresas que operam no país participaram da pesquisa, e 69 foram destacadas ou mencionadas na publicação final.

Como em todos os anos, será realizado um encontro com empresas interessadas em participar do processo, para que possam tirar dúvidas sobre a publicação, o questionário e a metodologia de avaliação. Este evento acontecerá no próximo dia 27 (segunda), das 09h às 11h, no mezanino da sede da Editora Abril (Avenida das Nações Unidas, 7221, Pinheiros – São Paulo/SP). Para participar do encontro, confirme sua presença até 24/4 pelo telefone (11) 3037.2119 ou pelo e-mail victoria.olivares@abril.com.br. As vagas são limitadas.

Mais informações sobre o encontro e o Guia 2015 no site http://exame.abril.com.br/revista-exame/guia-de-sustentabilidade

Helton Barbosa

 

Guia de Sustentabilidade Empresarial: Criando um Futuro Sustentável foi lançado internacionalmente pelo Pacto Global das Nações Unidas e apresenta as principais características que definem a sustentabilidade empresarial.

De acordo com o guia, para as empresas serem consideradas sustentáveis, elas devem conter as seguintes cinco características: negócios baseados em princípios, fortalecimento da sociedade, compromisso da liderança, relatório de progresso e ação local.

Para saber mais sobre as características e fazer o download do guia, acesse.

 

Fernanda Macedo

 

Earth now é um aplicativo gratuito 3D para colocar o planeta em suas mãos! Por meio dele é possível verificar em tempo real dados dos sinais vitais da Terra, transmitidos por um satélite global. (Para Apple e Android)

Images of Change é um aplicativo também gratuito que disponibiliza imagens das paisagens antes e depois de fenômenos que vão desde a retirada glacial à urbanização. As imagens foram capturadas com os satélites da Nasa e fotógrafos em solo. (Para iPhone e iPad)

Offset é o último jogo educacional lançado pela Nasa. Os jogadores têm o objetivo de reduzir o ritmo do aquecimento global, para isso eles aprendem sobre o ciclo global do carbono, diferentes fontes de carbono, energia alternativa e reflorestamento. (Para iPhone e iPad)

 

Ricardo Barretto

 

RSE é pano de fundo para encontro que a GIZ – Agência Alemã de Cooperação Técnica – promove nos dias 9 e 10 de abril em São Paulo. Ao reunir empresas latino americanas, o evento busca entendimento sobre as estratégias que têm sido adotadas em responsabilidade social corporativa e sustentabilidade, bem como promover a troca de boas práticas em integração da sustentabilidade ao core business e à cadeia de valor.

Os diálogos permitem conhecer ferramentas e métodos para que os gestores se tornem cada vez mais agentes de mudança e identificar ações conjuntas que podem ser tomadas para endereçar as questões ligadas à sustentabilidade.

A expectativa da GIZ é que o evento estimule uma rede empresarial latino-americana para ações coletivas em RSE. O desafio está lançado aos participantes do encontro: representantes de 25 empresas, além de outros setores como academia e organizações multilaterais. Entre os destaques da programação, casos em temas como criação de valor na cadeia de fornecedores, engajamento de stakeholders, negócios inclusivos e biodiversidade.

 O GVces e a GIZ são parceiros desde 2008. Atualmente, a GIZ apoia projetos do GVces como a Plataforma Empresas pelo Clima (EPC) e a iniciativa Tendências em Serviços Ecossistemicos (TeSE).

 Fernanda Carreira

 

 De 20 a 27 de março de 2014 os paulistanos poderão conferir longas, médias e curtas metragens focados na temática ambiental, oriundos de mais de 30 países, grande parte deles inéditos no Brasil.

Os filmes, classificados nas temáticas cidades, campo, economia, energia e povos e lugares, abordam questões como energia nuclear; o uso de animais como cobaias; organismos geneticamente modificados; urbanismo e a vida nas grandes cidades; extração de recursos naturais por grandes corporações e suas consequências para o meio ambiente e para comunidades; localidades remotas e a dificuldade cada vez mais premente de manter tradições junto às novas gerações que querem ganhar o mundo e frente aos dilemas impostos pelas transformações do meio ambiente.

“A Mostra entra em sua terceira edição se consolidando em São Paulo como espaço para conferir produções de várias partes do mundo que marcam presença inclusive em grandes festivais de cinema. Estes filmes, inéditos em sua maioria no Brasil, não entram em circuito depois, salvo algumas exceções. É uma oportunidade única de assistir a estas produções. É também um espaço para promover o debate e a reflexão sobre questões do nosso dia a dia,” diz Chico Guariba, diretor da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Os filmes serão exibidos em sete salas do circuito de cinema da cidade: Reserva Cultural, Cine Livraria Cultura, Museu da Imagem e do Som (MIS), Cine Olido, Centro Cultural São Paulo, Cinusp Maria Antônia e Matilha Cultural. Além das exibições dos filmes, a Mostra promoverá debates com vários realizadores de diferentes nacionalidades. Toda a programação é gratuita.

Este ano a Mostra traz ainda duas novidades – a premiação dos melhores filmes latino americanos e um circuito universitário, que levará filmes e debates a diferentes instituições de ensino. O GVces é parceiro neste circuito e fará uma exibição na FGV.

Serão premiados os melhores filmes escolhidos por uma comissão julgadora e também por voto popular. As cédulas de votação estarão disponíveis nos locais das sessões, durante o período de realização da Mostra.

Mais informações clique aqui
Para acessar a programação clique aqui.

 

As economias emergentes estão no centro da discussão sobre qualidade do crescimento e estabilidade da economia global, não apenas porque suas trajetórias de desenvolvimento trazem implicações globais relevantes, mas também pelo impacto do cenário global sobre suas decisões econômicas internas.

Nesse contexto, as instituições “think tank” se revelam importantes espaços para debater essas questões sobre desenvolvimento e para auxiliar na definição política sobre elas. No cenário global, a promoção de intercâmbio de conhecimento entre think tanks de economias emergentes pode contribuir diretamente na busca por soluções para os desafios do desenvolvimento.

O Economic Policy Forum – Emerging Economies Think Tank Alliance for High Quality Growth (EPF) foi criado exatamente para promover o diálogo entre pesquisadores e especialistas de países emergentes sobre desenvolvimento social e econômico. Desde o ano passado, o GVces vem participando das suas atividades, com nossos pesquisadores participando de eventos do EPF em Nova Delhi, Índia.

Saiba mais sobre o EPF e suas atividades no site.

Inaiê Santos

 

 

Uma animação linda e lúdica traz o olhar de um menino para o mundo assim como o conhecemos, e ao final bagunça o nosso olhar. Vale MUITO  a pena assistir enquanto ainda está em cartaz.

Maria Piza

 

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, o ano de 2013 foi o sexto mais quente da história; além disso, 13 dos 14 anos mais quentes também foram registrados no século XXI. Os cientistas não têm dúvidas de que o aquecimento global é uma realidade e esse fenômeno é decorrência da atividade humana.

A cidade de São Paulo nunca havia registrado um mês tão quente na história quanto janeiro de 2014; os registros começaram a ser feitos em 1943. Em Porto Alegre, onde as medições começaram em 1916, este mês foi o mais quente entre os meses de janeiro desde que as medições começaram. Os motivos que levaram a essas altas temperaturas são diversos e a ciência ainda não consegue comprovar uma relação direta entre as mudanças climáticas e tais eventos do início de 2014. Dentro desse cenário, temos duas opções: acreditar que não temos nada a ver com o assunto e torcer para as coisas melhorarem ou utilizar o princípio da precaução. O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter cuidado e estar ciente. Precaução relaciona-se com a associação respeitosa e funcional do homem com a natureza. Trata das ações antecipatórias para proteger a saúde das pessoas e dos ecossistemas. Precaução é um dos princípios que guia as atividades humanas e incorpora parte de outros conceitos como justiça, equidade, respeito, senso comum e prevenção.

Por conta das altas temperaturas, a utilização de aparelhos de ar condicionado disparou no país e o consumo de energia elétrica nacional também subiu. O Sistema Interligado Nacional não suportou e na última terça-feira (4 de fevereiro), ocorreu o apagão que atingiu 13 estados. Para evitar novos apagões, o governo pretende utilizar força máxima nas usinas termelétricas, aumentando ainda mais as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Além disso, como existe a preocupação de novos apagões, muitas empresas já começam a investir em geradores de energia elétrica a óleo diesel, aumentando também as emissões de GEE e a poluição local.

Ao invés de focar na origem do problema, as soluções adotadas tendem a criar um ciclo vicioso, no qual as emissões aumentam a temperatura do planeta, que provoca mais emissões por conta do aumento da queima de combustíveis fósseis, que aumenta mais a temperatura do planeta e assim por diante. Muitas pessoas me perguntam quando vamos começar a sentir os efeitos das mudanças climáticas, pois acham que se trata de um fenômeno que vai atingir nossos netos e bisnetos. As mudanças estão aí e, pelo que as últimas semanas vêm demonstrando, não estamos nos esforçando o suficiente para reverter esse quadro.

Ricardo Dinato

© 2016 GVces - Coletivo Sustentável Suffusion theme by Sayontan Sinha