Não é de hoje que a humanidade observa o crescimento do PIB com os “óculos da sustentabilidade”. Veja o que falava Robert F. Kennedy sobre o PIB em 1968!

“Nosso Produto Interno Bruto agora ultrapassa 800 bilhões de dólares por ano. Mas nesse PIB estão embutidos a poluição do ar, os comerciais de cigarros e as ambulâncias para limpar nossas carnificinas. Ele inclui fechaduras especiais para nossas portas e prisões para as pessoas que as arrombam. Inclui a destruição de nossas sequoias e a perda de nossas maravilhas naturais em acumulações caóticas de lucro. Inclui as bombas napalm e as ogivas nucleares e os veículos blindados da polícia para combater os tumultos em nossas cidades. Inclui (…) os programas de televisão que estimulam a violência com a finalidade de vender brinquedos a nossas crianças. Entretanto, o PIB não garante a saúde de nossas crianças, a qualidade de sua educação ou alegria de suas brincadeiras. Não inclui a beleza de nossa poesia ou a solidez de nossos casamentos, a inteligência de nossos debates públicos ou a integridade das autoridades de nosso governo. Ele não mensura nosso talento ou nossa coragem, nossa sabedoria ou nosso aprendizado, nossa compaixão ou nossa devoção a nosso país. Ele tem a ver com tudo, em suma, exceto com aquilo que faz com que a vida valha a pena. E ele pode nos dizer tudo sobre os Estados Unidos, exceto o motivo pelo qual temos orgulho de ser americanos.”

Leeward Wang

 

Faltando apenas algumas semanas para o primeiro turno das eleições municipais de 2012, selecionamos algumas matérias publicadas pela revista Página 22, do GVces, que tratam de temas relacionados às cidades e suas interfaces com a sustentabilidade e que levantam questões importantes para se refletir em tempos eleitorais.

# 63 (maio/2012)

Cidadania do mundo, por Amália Safatle

Para Eduardo Jorge, secretário do Verde e do Meio Ambiente do município de São Paulo, as cidades podem e devem participar da governança global

A fama das calçadas, por Thaís Herrero

A condição das calçadas é um indicativo da qualidade de uma cidade. Está ligada à mobilidade, segurança e serviço prestado por seus habitantes e governantes

——-

# 61 (março/2012) – Peso pesado, por Leilane Marinho

Embora não esteja nos holofotes, é o entulho o maior componente do lixo nosso de cada dia. Caberá aos municípios determinar o destino correto dos resíduos da construção civil

——-

#  59 (dezembro/2011) – Uma cidade para chamar de nossa, por Maria Lutterbach

Exemplos mostram o que no Brasil parece um sonho: dinamismo e vida de qualidade coabitando o mesmo lugar

——-

# 55 (agosto/2011) – O espetáculo e o mito, por Carolina Derivi

Na história dos megaeventos esportivos, o propalado legado urbanístico e socioeconômico configura a exceção, e não a regra. Muito mais frequentes são os casos em que as populações desassistidas se transformam em vítimas de um processo atropelado de remoção e as contas da cidade mergulham no vermelho (entrevista com a urbanista Raquel Rolnik)

 

——-

# 53 (junho/2011) – A cidade cíclica, por Carolina Derivi

Barcelona está escrevendo mais um capítulo da sua notável trajetória urbanística, voltado para a criatividade e a competitividade global. Os deslizes do percurso demonstram que nem todos os ativos dessa nova economia podem ser frutos de engenharia

——-

# 52 (maio/2011)

Cidades que funcionam, por Flavio Gut

Pelas pessoas e para as pessoas: essa é a inteligência que a vida urbana pede no século XXI. Nos movimentos espontâneos, característicos da sociedade em rede, cresce a certeza de que ninguém conseguirá fazer nada sozinho

Se essa rua fosse minha, por Carolina Derivi (colaboração de Eli Ridolfi)

Vamos imaginar, ainda que com o máximo poder de abstração, como seriam as nossas cidades se a bicicleta fosse encarada como um veículo legítimo. Os benefícios difusos, econômicos, sociais, ambientais e urbanísticos são surpreendentes

Com afeto, nas cidades, por Ana Cristina D’Angelo

Nada de palcos. Artistas entregam-se e integram-se ao cotidiano, ressensibilizam o espaço urbano e provocam a real convivência

——-

# 51 (abril/2011) – Aprender a conversar, por Carolina Derivi

No Brasil, a democracia participativa ainda tem muito que evoluir, em termos de qualidade e alcance. Uma série de experiências, dentro e fora da política, ensina a arte do diálogo e da convergência

——-

# 42 (junho/2010) - Do cimento à semente, por Eduardo Shor

Em meio ao concreto de uma metrópole como São Paulo, ainda há espaço para plantas, bichos e pessoas. Mas dá para criar bem mais

——-

# 41 (maio/2010) – A incrível cidade que encolheu, por Regina Scharf

No mundo em que tudo ganha dimensões exageradas, a diminuição de alguns núcleos urbanos parece um contrassenso

——-

# 39 (março/2010)

São Paulo Limitada, por Ana Cristina D’Angelo e Maria Lutterbach

Que fim levou o sonho feliz de cidade, quando 57% dos habitantes dizem querer deixá-la

Volta por cima, por Amália Safatle

Antes de tudo, reconhecer a queda: admitir que o antigo modelo de metrópole foi superado, Em seguida, levantar e sacudir a poeira. E então dar a volta por cima: reinventar as grandes cidades, fazer florescer suas vocações, descobrir as lideranças que vão arregimentar forças em uma nova direção, e construir esse futuro de forma participativa e transparente (entrevista com o economista André Urani)

——-

# 35 (outubro/2009)

Pensar local, agir global, por Carolina Derivi

As mudanças climáticas lançam luz sobre um mundo interdependente por completo, de todo que não basta fazer a lição de casa local. Como 70% das emissões globais de gases de efeito estufa têm origem nos ambientes urbanos, há muito que as grandes cidades podem fazer para mitigar o fenômeno e ainda influenciar novos rumos para o planeta (entrevista com o economista Sérgio Besserman Vianna)

Soberania às cidades, por Tatiana Achchar

Mais que se preparar para o pico do petróleo e o aquecimento global, movimento mundial faz com que metrópoles e vilas desenhem uma visão própria do futuro próximo e a coloquem em prática

——-

# 28 (março/2009) – Como a cidade mora em você

Gigantismo, aglomeração, ritmo veloz e estagnação. As marcas da metrópole reverberam na saúde e no comportamento de seus moradores

——-

# 26 (dezembro/2008) – Semear cidades, por Ricardo Barretto

Ao buscar novas formas de usar o território e os recursos naturais, o projeto da tecnofloresta planeja áreas de recomposição florestal que crescem junto com núcleos urbanos

——-

# 09 (junho/2007)

Querer ser, por Flavia Pardini

O especialista em sustentabilidade urbana Peter Newman diz que o maior desafio para as cidades, onde quer que estejam, é acreditar que o sonho pode ser urbano

São Paulo Cidade dos outros, por Flavio Lobo

Nas filas e no trânsito, nas imagens de cineastas e fotógrafos, a “locomotiva do Brasil” revela a sua imobilidade. Efeito e reprodução de um ímpeto modernizador que acentua cisões

O mundo nas cidades, por Flavia Pardini

Dos países desenvolvidos que buscam soluções para reduzir as emissões de carbono às nações em desenvolvimento, onde morar bem ainda é privilégio, o futuro é urbano

Para onde vamos?, por Amália Safatle

Ao reunir tanta gente em um determinado espaço, as cidades representam o desafio máximo de equilibrar homem e natureza. São Paulo, sonho e pesadelo, é um grande mote para repensar os rumos da civilização

© 2016 GVces - Coletivo Sustentável Suffusion theme by Sayontan Sinha