Esse post é só para estimular quem ainda não acompanha o twitter da P22 a seguir o mircoblog da revista do GVces.

Abaixo, um apanhado das últimas inserções.

Só coisa fina! @pagina_22

(ao lado, a capa da última edição)

Cidades criativas http://bit.ly/avhBbP sustentabilidade, jazz e blues

O que move o gosto pela arte hoje, as categorias, conceitos e preconceitos na distinção entre popular e eruditohttp://bit.ly/cnyxBz

Mascote das Olimpíadas de Londres 2012 é uma gota de aço. Está faltando biodiversidade ao Reino Unido?

Enquanto capacidade produtiva da pesca aumenta, quantidade de peixe efetivamente capturado só diminui http://bit.ly/9rJCjf

A nova chefe da COP do clima é costarriquenha. Saiba por que esse pequeno país é um gigante em sustentabilidadehttp://bit.ly/bS5CxA

RT @Cristiane_Prizi Descobri um Travel Green Guide pra download free na web. Será muito útil http://bit.ly/dcsTwc

PIB: ascensão e queda http://nyti.ms/bJfLSc no NYT

Parada do orgulho vegano http://bit.ly/cizkpi

Em SP, Cine-Clube Socioambiental tem programação excelente e gratuita, inclusive filmes fora do circuito comercial

Usinas de energia das marés. Coreia do Sul e Rússia saem na frente http://bit.ly/agKHNq

Biomimética: o que a natureza faria? http://bit.ly/9GeDvw

Visual dominante do high-tech, carro é sempre preto ou prata. Haveria uma estética para a sustentabilidade? http://bit.ly/9xXG9V 

Confirmado Guilherme Leal na chapa de Marina Silva. Foi à P22 a 1a entrevista desde que ele passou a ser cogitadohttp://bit.ly/nNffO

 

Recentemente, o presidente Lula disse que os índios no Brasil estão cada vez mais sabido. Abaixo, conteúdo da carta encaminhada ao chefe máximo da nação brasileira pelos povos indígenas da região do Xingu, em 20 de abril, dizendo o que eles estão achando da conduta do governo. Encaminhado pelo Marcio Halla, que acompanhou a etapa de campo do FIS.

“Não queremos mais que mexam nos rios do Xingu e nem ameacem mais nossas aldeias e nossas crianças, que vão crescer com nossa cultura”, afirma o cacique Bet Kamati Kayapó, Cacique Raoni Kayapó Yakareti Juruna, representando 62 lideranças indígenas da Bacia do Xingu, em artigo publicado no jornal Valor, 20-0-2010. Respndendo a Lula, o cacique escreve: ” Nós não somos ONGs internacionais’. E ameaça: “Já alertamos o governo que se essa barragem acontecer, vai ter guerra”.

Nós, indígenas do Xingu, estamos aqui brigando pelo nosso povo, pelas nossas terras, mas lutamos também pelo futuro do mundo

O presidente Lula disse na semana passada que ele se preocupa com os índios e com a Amazônia, e que não quer ONGs internacionais falando contra Belo Monte. Nós não somos ONGs internacionais.

Nós, 62 lideranças indígenas das aldeias Bacajá, Mrotidjam, Kararaô, Terra-Wanga, Boa Vista Km 17, Tukamã, Kapoto, Moikarako, Aykre, Kiketrum, Potikro, Tukaia, Mentutire, Omekrankum, Cakamkubem e Pokaimone, já sofremos muitas invasões e ameaças. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, nós índios já estávamos aqui e muitos morreram e perderam enormes territórios, perdemos muitos dos direitos que tínhamos, muitos perderam parte de suas culturas e outros povos sumiram completamente. Nosso açougue é o mato, nosso mercado é o rio. Não queremos mais que mexam nos rios do Xingu e nem ameacem mais nossas aldeias e nossas crianças, que vão crescer com nossa cultura.

Não aceitamos a hidrelétrica de Belo Monte porque entendemos que a usina só vai trazer mais destruição para nossa região. Não estamos pensando só no local onde querem construir a barragem, mas em toda a destruição que a barragem pode trazer no futuro: mais empresas, mais fazendas, mais invasões de terra, mais conflitos e mais barragem depois. Do jeito que o homem branco está fazendo, tudo será destruído muito rápido. Nós perguntamos: o que mais o governo quer? Pra que mais energia com tanta destruição?

Já fizemos muitas reuniões e grandes encontros contra Belo Monte, como em 1989 e 2008 em Altamira-PA, e em 2009 na Aldeia Piaraçu, nas quais muitas das lideranças daqui estiveram presentes. Já falamos pessoalmente para o presidente Lula que não queremos essa barragem, e ele nos prometeu que essa usina não seria enfiada goela abaixo. Já falamos também com a Eletronorte e Eletrobrás, com a Funai e com o Ibama. Já alertamos o governo que se essa barragem acontecer, vai ter guerra. O Governo não entendeu nosso recado e desafiou os povos indígenas de novo, falando que vai construir a barragem de qualquer jeito. Quando o presidente Lula fala isso, mostra que pouco está se importando com o que os povos indígenas falam, e que não conhece os nossos direitos. Um exemplo dessa falta de respeito é marcar o leilão de Belo Monte na semana dos povos indígenas.

Por isso nós, povos indígenas da região do Xingu, convidamos de novo o James Cameron e sua equipe, representantes do Movimento Xingu Vivo para Sempre (como o movimento de mulheres, ISA e CIMI, Amazon Watch e outras organizações). Queremos que nos ajudem a levar o nosso recado para o mundo inteiro e para os brasileiros, que ainda não conhecem e que não sabem o que está acontecendo no Xingu. Fizemos esse convite porque vemos que tem gente de muitos lugares do Brasil e estrangeiros que querem ajudar a proteger os povos indígenas e os territórios de nossos povos. Essas pessoas são muito bem-vindas entre nós.

Nós estamos aqui brigando pelo nosso povo, pelas nossas terras, pelas nossas florestas, pelos nossos rios, pelos nossos filhos e em honra aos nossos antepassados. Lutamos também pelo futuro do mundo, pois sabemos que essas florestas trazem benefícios não só para os índios, mas para o povo do Brasil e do mundo inteiro. Sabemos também que sem essas florestas, muitos povos irão sofrer muito mais, pois já estão sofrendo com o que já foi destruído até agora. Pois tudo está ligado, como o sangue que une uma família.

O mundo tem que saber o que está acontecendo aqui, perceber que destruindo as florestas e povos indígenas, estarão destruindo o mundo inteiro. Por isso não queremos Belo Monte. Belo Monte representa a destruição de nosso povo.

Para encerrar, dizemos que estamos prontos, fortes, duros para lutar, e lembramos de um pedaço de uma carta que um parente indígena americano falou para o presidente deles muito tempo atrás: ” Só quando o homem branco destruir a floresta, matar todos os peixes, matar todos os animais e acabar com todos os rios, é que vão perceber que ninguém come dinheiro ”

Fonte: http://www.smdh.org.br/noticias2.php?id=520

© 2016 GVces - Coletivo Sustentável Suffusion theme by Sayontan Sinha